Pessoas que evitaríamos

A bondade amorosa (“metta”) precisa ser estendida a todos os seres e manifestações, ainda que a maioria de nossas dificuldades sejam as pessoas. É muito mais fácil amar pássaros, cachorros, gatos e árvores do que é amar pessoas. Árvores e animais não respondem de volta, mas pessoas sim, então aqui é onde o treinamento começa. …

Às vezes, as pessoas descobrem que não sentem nada ao praticar meditação metta. Isso não é nada que mereça preocupação; pensamentos direcionados com a frequência necessária eventualmente produzem os sentimentos. Todos os nossos contatos sensoriais produzem sentimentos. Pensamentos são o sexto sentido, e mesmo que estivéssemos apenas pensando metta, eventualmente o sentimento despertará. Isso é uma maneira de conseguirmos nos ajudar para ganhar essa qualidade do coração, mas certamente não é a única.

Em nossas atividades diárias, todos nós nos confrontamos com outras pessoas e, frequentemente, com aquelas que evitaríamos. Estes são os nossos desafios, lições e testes. Se considerarmos dessa maneira, não ficaremos tão irritados com essas experiências. …

Quando nos damos conta que esse tipo de confrontação é exatamente o que precisamos no momento para superar a resistência e negatividade, e substituímos essas emoções por metta, então nos sentiremos gratos pela oportunidade.

Ayya Khema, em “When the Iron Eagle Flies”.
Tricycle’s Daily Dharma, 29 de setembro, 2006.

Publicado originalmente em: http://darma.info/trechos/2006/12/pessoas-que-evitaramos/

Anúncios